6 passos para transformar sua casa num ambiente mais sustentável

//6 passos para transformar sua casa num ambiente mais sustentável

6 passos para transformar sua casa num ambiente mais sustentável

Por Fernanda Dorta

images (2)O conceito de construção sustentável possui muitas nuances. O que pode ser sustentável pra um lugar ou projeto, para outro contexto pode ser inviável.  O importante, segundo arquiteta Cecília Prompt (Margem Arquitetura), é levar em consideração a união de três pilares – a questão ambiental, social e econômica – que são fundamentais e precisam caminhar juntas para que a sustentabilidade seja viável tanto em reformas como em projetos arquitetônicos pensados do zero.

Segundo entrevista publicada no Diário Catarinense nesta semana com a pesquisadora do departamento de Arquitetura e Urbanismo da Ufsc, Lisiane Ilha Librelotto, o que torna uma edificação sustentável não é apenas a aplicação de novas tecnologias, sobretudo, é preciso que o contexto urbano também seja sustentável.

Apesar dos desafios urbanos, começar essa mudança com pequenos investimentos para sua casa, pode não só fazer a diferença a nível local como incentivar que a vizinhança, a comunidade e a cidade adotem atitudes para viver numa sociedade mais consciente.

Acompanhe 6 passos importantes que nós da Margem Arquitetura pensamos pra sua reforma ou construção.

Invista num arquiteto e na mão de obra qualificada

Para adotar novas tecnologias na reforma ou construção é preciso investir no mínimo num arquiteto ou profissional qualificado que entenda do assunto. É preferível, prudente e inteligente buscar soluções simples com pequenos investimentos e um profissional que tenha expertise no assunto, a contatar mão de obra que não entenda das peculiaridades da bioconstrução ou aplicação de técnicas que exijam conhecimento específico. O profissional precisa ter uma visão holística da obra e levar em consideração todos os pilares que citamos no início do post.

Escolha Materiais de reaproveitamento e tecnologias inteligentes

Há muitas iniciativas da bioarquitetura e biconstrução que utilizam em seus projetos materiais de reaproveitamento como madeiras de demolição, portas, janelas restauradas, pedras, tijolos coloniais, dentre outros elementos construtivos. Reaproveitar materiais pode baratear e muito sua reforma ou projeto, podendo inclusive, apostar na competência e criatividade do profissional contratado para otimização e aplicação das tecnologias. O profissional também poderá oferecer opções mais viáveis para instalação de tecnologias como a indicação de painéis solares, telhado verde, geradores eólicos, dentre outras iniciativas.

Reaproveite água da chuva

IMG-20160810-WA0065Implantar um sistema de coleta da água de chuva não é tão complicado quanto parece. Há diferentes reservatórios d’ água disponíveis no mercado para este fim com sistemas de filtragem que, dependendo do lugar, é possível que o recurso seja feito até para o consumo humano. Há também sistemas mais tradicionais para a construção de cisternas como a técnica de ferrocimento. Reaproveitar água da chuva pode ser até mais vantajoso do que depender somente do abastecimento convencional que pode possuir flúor, cloro dentre muitos outros aditivos químicos e até metais pesados que fazem mal à saúde.  Em Florianópolis, por exemplo, está para ser sancionado a obrigatoriedade de armazenamento da água de chuva para construções civis a cima de 200m² de acordo com o Código de Obras. https://leismunicipais.com.br/codigo-de-obras-florianopolis-sc).

Saneamento ecoeficiente de esgoto

download (2)

Boa parte das cidades possui algum tipo de saneamento básico. Mas se adotarmos a postura da preservação ambiental dos rios o tratamento de esgoto é algo preocupante. Um grande diferencial é separar os efluentes gerados em uma residência em águas cinzas (chuveiro, pias, tanques e máquina de lavar) e águas negras (vaso sanitário), pois possuem diferentes composições e consequentemente o tipo de tratamento é diferente também. Dentre as tecnologias mais usadas para o saneamento ecológico está o tanque de evapotranspiração, tanque séptico, filtro anaeróbio, vala de infiltração e evapotranspiração e filtros plantados (wetlands). O investimento é muito eficiente e é preciso contratar um profissional que tenha esta competência para a aplicação destas tecnologias.

Atribua elementos da arquitetura bioclimática

Antes mesmo de se falar em sustentabilidade na construção, a arquitetura bioclimática sempre teve uma função importante e central neste processo. O bioclimatismo é usado pelos arquitetos para valorizar a entrada de luz e ventilação natural, direcionamento de portas e janelas, tudo para garantir um maior conforto térmico, acústico, dentre outros benefícios. Se há uma maior ventilação, há menos necessidade usar ar condicionado, por exemplo. Se há maior entrada de luz, há menos uso de energia elétrica. Pensar essa eficiência de reduzir é fundamental para quem quer investir pouco neste quesito.

Cuide do seu lixo e faça compostagem

 

No Brasil produzimos em média 180 mil toneladas de lixo todos os dias e o descarte raramente é feito adequadamente na maioria dos grandes centros urbanos. A questão do consumo consciente é um fator determinante para se viver num ambiente mais sustentável. Uma dica prática do que você pode iniciar na sua residência, por exemplo, seja em casa ou apartamento, é criar um sistema de compostagem, de modo a transformar resto de alimentos em adubo. Para quem vive em apartamentos, já existem caixas e minhocários prontos que não junta bichos e nem deixa cheiro. E para quem mora em casa e tem quintal, há inúmeras possibilidades de compostagem. Pesquise sobre o tema. Essa pratica ajudará a minimizar a quantidade de lixo produzido no mundo. Lavar embalagens plásticas e separar adequadamente papel, vidro e metal e fazer a destinação adequada também são atitudes que podem contribuir com as indústrias de reciclagem da sua cidade. Recicle suas ideias, repense seu consumo e invista em qualidade e vida para sua família e sua cidade.

By |2018-02-23T16:44:36-03:00fevereiro 5th, 2017|Sem Categoria|0 Comments